quinta-feira, 8 de julho de 2010

Ovos quebrados





Chega um momento em que a relação precisa quebrar os ovos. É bom estar preparado. 
Será como o trabalho doméstico: transparente. Lava-se louça, roupa, estende, retira os vincos com ferro, limpa casa, recolhe o lixo, arruma os brinquedos e os filhos nem reparam que tudo está novamente no lugar e no armário, apesar da bagunça feita recentemente. É óbvio que não vão agradecer. É o que chamo de passado secreto. Aconteceu, mas não merece memória. Entretanto, a raiva fica: não fui valorizado e resta um desmemoriado mal-estar. 
Minha namorada resolveu comer omelete. Ela já fez o prato outras vezes em seu apartamento. 
Estava em casa e me antecipei na captura dos ingredientes, louco para agradá-la. Mas a minha menção de executar a tarefa a desagradou. Entenda, é o passado secreto. O ardiloso passado secreto. Com minha efusiva disposição, ela desconfiou de que não gostava de suas omeletes e que somente agora, decorrido um ano, estava com coragem de falar. 
Raciocinei que significava uma informação dispensável, meu modo era dourar os dois lados e o dela era envelopar a massa ao final, mas ela tratava o assunto com tamanha energia que até me assustou. 
- Quer que eu faça? 
- Não gosta do jeito que faço? 
- Gosto, é que eu mostraria minha predileção... 
- Gosta nada, quem já fez omelete para você? Quer do jeito de quem? Confessa? 
- De ninguém. 
- Ora, vai nessa, qual é a receita? Com queijo ralado, requeijão, fatias? Por que nunca me disse que não gostava da minha omelete? Eu me sinto uma idiota... 
- Eu gosto, só busquei uma maneira diferente. 
- Que maneira? 
(Daí eu me danei) 
Levaremos mais tempo discutindo na tentativa de prevenir a discussão. A conversa durou duas horas. Duas horas sobre absolutamente nada, a não ser o medo do que não foi vivido junto. Se aliso seu umbigo, acreditará que repito um convite libidinoso com uma antiga namorada. Quanto mais a gente se entrega, maior é o pânico de estar sozinho na doação, de ser uma miragem afetiva. Tanto que após desfiar um "eu te amo tanto", não ouse nunca mais declarar "eu te amo" - é como se amasse menos. 
O ciúme está dobrado em cada gesto, fazendo contas e pedindo estornos. Não há saída; passe manteiga na conversa, aqueça a frigideira e admire os ovos quebrados na pia. 
Repare como o negócio é tinhoso. Durante as compras, no caixa, costumava perguntar se ela estava naquele momento com troco. Não falava dinheiro, mas troco. Uso troco para tudo. Para quê? Ela já formulou uma tese de que empregava o código com a ex. Igual sina em nossas rotas românticas. Relaxados, sozinhos e prontos para namorar, peço que ela me alcance o champanhe do balde: - Por favor, me passe a "champs"? “Champs”? Feito o entrevero. Usava também esse dialeto com a ex. 
O grave é que ela tem razão. Só não desejava brigar, ainda mais quando não tenho defesa. Ela poderia ser mais justa e me dar tempo para preparar uma mentira.

Fabrício Carpinejar 

Wanderley Elian

26 comentários:

  1. "Um livro aberto é um cérebro que fala;
    Fechado, um amigo que espera;
    Esquecido, uma alma que perdoa;
    Destruído, um coração que chora".

    Voltaire

    Amor & Paz na sua noite...M@ria

    ResponderExcluir
  2. A mulher sempre exige a frase: - Eu te amo! Por que dizer-lhe Eu te amo, se é a própria lógica ficar agüentando aquela coisa o tempo todo? Aí, quebram-se os ovos!

    ResponderExcluir
  3. Tem selinho aqui prá todos os meus amigos.
    Venha buscar os seus.....Carinho meus! M@ria

    ResponderExcluir
  4. ola...passando para conhecer o blog... e encontro esse texto lindo e justamente no momento em que vivo essa teoria dos ovos quebrados... é a pura realidade...

    Abs :-)

    ResponderExcluir
  5. querido wanderley,
    que texto fantastico...
    os ovos se quebram muito facilmente..
    precisa de muito geitinho.
    adorei os post anteriores você
    tem otimas escolhas.
    preciso de umas aulas rsrs.
    beijos com carinho e saudades...

    ResponderExcluir
  6. Wanderley,achei muito interessante o texto escolhido.
    Obrigada pelas suas palavras num dos meus blogues.
    Beijo.
    isa.

    ResponderExcluir
  7. Muito legal este texto...a insegurança literalmente pode tornar tudo um inferno...rsrsrsr...
    Tenha um maravilhoso dia...beijinhos
    Valéria

    ResponderExcluir
  8. A desconfiança, a decepção e a insegurança são como ovos, quebram facilmente ...qualquer tipo de relacão. Gostei do texto.Muito.
    Um beijo amigo.

    ResponderExcluir
  9. INteressante o texto,,,,sempre estaremos um dia envolvidos na discussão de relacionamento,,,,que desses ovos quebrados,,ao menos saia um omelete...rs..rs...abraços de bom dia,,,e vou de Holanda...

    ResponderExcluir
  10. Mas isso é um tanto paranóico!
    Mas existem pessoas que usam o passado para atacar e tripudiar sobre os outros. É uma relação falida. A gente insiste esperando melhoras, porém, não vai muito além.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  11. É... não se faz uma omelete sem quebrá-los... hehehehe!!! Hugzzzzzzzzz!!!!!

    ResponderExcluir
  12. quebramos ovos sempre ... mas nada que uma boa batida de claras não resolva o ranço das gemas espalhadas ... nOn eeh? hihihi ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  13. Saudades impossíveis de medir...de caminhar por aqui...novo desing, uau...
    beijos
    http://vemsonharcomigo.blogspot.com/
    aryane pinheiro
    brilho da lua

    ResponderExcluir
  14. De ovos gosto de toda a maneira... menos quando são... podres...

    ResponderExcluir
  15. Gostei do texto, Wanderley! Mas tanto ovo quebrado e mesclado, me dá certo enjôo* Não falo mais porque sou educada*
    Beijos, queridinho!


    Quem nunca sentiu uma alegria à toa, daquelas que vem sem hora marcada, sem plano, sem festa?
    Alegria boa é assim: ela vem meio que rasgando a boca, deixando um sorriso de não sei o que na cara da gente...
    Se alegria tivesse nome, seria surpresa.
    Se fosse uma casa, seria imensa.
    Se fosse um doce, que doce seria a tal da alegria?
    Doce gelado, confeitado, colorido...
    E se fosse uma música? Seria de flauta? De viola?
    Acho que de tudo...
    Alegria tem som de orquestra.
    Alegria à toa tem cor quente. Cor de sol que se põe bem tarde.
    Alegria que se preza, tem cheiro de chuva, de infância...
    E é claro que se alegria fosse gente, seria uma criança...
    E se fosse bicho, aposto que seria um beija-flor...
    Se eu pudesse vestir a tal da alegria, ela seria um vestido de linho, branco, bordado no peito, bem soltinho.
    Se fosse um caminho, seria de terra, no meio do nada, sem cerca e sem construção...
    Alegria deve ser isso...
    Qualquer coisa bonita, que nos tira do tédio.
    Essa coisa gostosa, misteriosa, bem vinda, que em dois segundos deixa tudo em paz.
    Alegria de verdade é aquela que vive aqui dentro...
    Que adormece, às vezes, mas que nunca deve morrer antes da gente.

    Texto da Net, não sei de quem é*


    Bom Dia*
    Tô dodói, venho porque não posso deixar de ver você.

    ResponderExcluir
  16. Wanderley!
    Mas num é que é um saco?
    Perda de tempo assustadora.
    Perdi muito tempo de vida
    tentando
    explicar
    o inexplicavel.
    Falo.Não entendeu?
    Não desenho mais não.
    Adorei o post
    e tambem
    o exemplo que infelizmente
    não é metaforico.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  17. Olá Wanderley!

    Adorei!
    Sabe que cheguei a sentir pena de si, mas quando cheguei ao fim e vi que não era o autor do conto fiquei menos triste.
    Sou mulher e muito, mãe e esposa, mas concordo que a relação a dois não é fácil, ela pode até em dados momentos parecer insustentável...
    Depois há dias destes com todos nós, TODINHOS!!!
    O pior é a dor que fica, o depois às vezes custa a sarar... e porquê se brigou? por nada mesmo...
    Sabe que hoje publiquei nos meus Blogs um texto que fala da necessidade de contar as nossas histórias vividas.
    Curiosamente este é o segundo Blog que visito hoje e ambos publicaram uma narrativa.

    Abraço,

    Na casa do Rau

    ResponderExcluir
  18. Amigo vc colocouu un texto que chama a reflexao da vida y de levar ela mesma..... vc tiene un toque muito particular que faz que seus texto esten cheios de sabiduria y aliento no andar...

    obrigado amigo...

    abracos
    buen final de semana

    ResponderExcluir
  19. Texto muito interessante! Os ovos quebrados estão em todas as relações...
    BEIJO

    ResponderExcluir
  20. Interessante esse texto, ah... qtas vezes vivi isso...

    beijooo.

    ResponderExcluir
  21. Oi meu querido, acho que essa experiência já foi vivida por muitos de nós...não é nada fácil.

    Beijos com carinho.
    Te gosto muito.

    ResponderExcluir
  22. Meu querido Amigo
    Uma bela escolha de texto, quem n-ao viveu já momentos desses, adorei.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  23. Bela postagem meu querido,esses ovinhos quebrados são pertubadores e causam certas confusões desnecessárias com certeza.
    Tomei a liberdade de retirar uma frase do seu texto que muito tem há ver com minha postagem anterior e vou postar sem tirar os créditos ok.
    Gostei de uma foto também rs.
    Beijokas millllllllllllllllllllllllll

    ResponderExcluir
  24. MUito bom,só faltou discutirem sobre quem nasceu primeiro,o ovo ou a galinha?Mas nos quebrar dos ovos tudo é igual" Quem não deve não teme" Mas ...Quem não deve? kkkkkkkk Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  25. 鶏卵は、栄養豊富で役立つ。
    しかし、役立つものは、壊れやすい・・・

    ResponderExcluir

passou por aqui . deixe sua impressão . obrigado

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...