quinta-feira, 8 de abril de 2010

Pivete



Minha lei é um
fundo de garrafa,
minha casa é a
rua,
minha comida é
o lixo,
meu pai
desconheço,
minha viagem é
o crack,
minha redenção é
a morte...

Wanderley Elian

32 comentários:

  1. É uma realidade bem descrita, sem muita historia, assim são os meninos de rua.

    As vezes sem culpa, as vezes por destino proprio!
    O que as vezes é uma vergonha.

    Desculpa ausencia
    Estou numa crise,
    mas nao esqueço-te amigo!

    Saudade, Um BEIJAO!

    ResponderExcluir
  2. As vezes acho estranho como esses garotos nao tem o minimo de respeito nem por sua propria vida, muitos dizer "se morrer enterra" na maior frieza ... dificil de se lidar,

    Wanderley vc me faz rir as vezes :), nove mil nao da mesmo!!! rs, mais o engraçado do sonho foi isso, sonhei em que poderia comprar uma casa de 9 mil e bonita, sonho bom ne, viver bem com tao pouco kk, abraços!

    ResponderExcluir
  3. Não sei da sua alimentação, mas a comida que encontramos por aí, são as mais gostosas, porém são grandes lixos ao nosso corpo... Mas fazer o que né...

    Abração...

    ResponderExcluir
  4. ... e minha paciencia esgota-se em viver num país gigante , com políticos incompetentes e corruptos que deixa a cidade crescer pelas encostas , pelos morros e depois poe a cara na TV pedindo que desocupem suas moradias porque é área de risco.
    Os politicos de hoje refletem bem os do passado!
    abraços e obrigada pela presença amiga
    estou triste.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia, amigo!Nem fale...meu coração fica apertadinho quando vejo esses meninos perambulando pelas ruas do Rio como mortos-vivos. São muitos, são muitos, infelizmente. Estamos em aguda e profunda crise urbana e social relacionada ao crack.E o miserável do traficante(dessa droga ele não é usuário) em casa, com todo o conforto.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  6. Sensacional, eu sou acrescentaria, minha triste realidade, meu país...mas refletiu exatamente,,,,forte abraço amigo e um belo dia pra ti.

    ResponderExcluir
  7. Wanderley,
    Uma das imagens que detenho com maior intensidade e, emoção na minha mente é a imagem que visualizei no livro de “Meninos de Rua”. A imagem de um menino de rua com um cigarro e, uma chucha na boca ao mesmo tempo.
    A carga dramática que expressa é detentora do flagelo que nomeia e, coabita, lamentavelmente e, tristemente com os meninos deste flagelo.

    Um laço de mim para si.

    Ana

    ResponderExcluir
  8. Wanderley, bom dia amigo!

    Sim, belo poema, numa crítica social direta e certa!Uma pena que essa realidade ainda nos rodeie, e nossa sociedade continua a fechar os olhos, e as famílias continuam a jogar seus filhos na rua...e o governo continua a pedir votos na eleição!

    Um grande beijo!

    Reggina Moon

    ResponderExcluir
  9. Wanderley, a poesia também é dura, arranha, fere, gostei do teu poema!

    ResponderExcluir
  10. E ele renascerá porque Deus o abençoará, sempre! Todos os cacos, véios ou novos, que têm de se alimentar das migalhas que caem da mesa dos fartos (passagem Bíblica), ou, dos lixos em que fuçam por falta de opção, ou porque lhes mandam, aqueles (seus *responsáveis*), que não quando crianças não foram amados e não aprenderam nada, ou talvez sim, por que não? E quando cresceram se esqueceram de que com Amor, as crianças aprendem brincando e nos ensinam a brincar.
    Admirável lição, meu queridinho, a meu vi.ver! Adorei!
    Beijos, Wanderley!
    ************
    Quando estou só reconheço

    Se por momentos me esqueço

    Que existo entre outros que são

    Como eu sós, salvo que estão

    Alheados desde o começo.




    E se sinto quanto estou

    Verdadeiramente só,

    Sinto-me livre mas triste.

    Vou livre para onde vou,

    Mas onde vou nada existe.




    Creio contudo que a vida

    Devidamente entendida

    É toda assim, toda assim.

    Por isso passo por mim

    Como por cousa esquecida.



    Fernando Pessoa

    Tenha um Maravilhoso Dia!

    PS: Sabe por que não vim ontem. Tudo embrulhadinho, nada via!

    ResponderExcluir
  11. Constatação absoluta, querido.

    Não gosto de comentário maior do que o texto do autor, por achar uma deselegância. Mas a gradenza dos seus escritos, merece essa obra do Chico Buarque como acompanhamento.
    _____

    O MEU GURI
    (Chico Buarque)

    Quando, seu moço
    Nasceu meu rebento
    Não era o momento
    Dele rebentar
    Já foi nascendo
    Com cara de fome
    E eu não tinha nem nome
    Prá lhe dar
    Como fui levando
    Não sei lhe explicar
    Fui assim levando
    Ele a me levar
    E na sua meninice
    Ele um dia me disse
    Que chegava lá
    Olha aí! Olha aí!

    Olha aí!
    Ai o meu guri, olha aí!
    Olha aí!
    É o meu guri e ele chega!

    Chega suado
    E veloz do batente
    Traz sempre um presente
    Prá me encabular
    Tanta corrente de ouro
    Seu moço!
    Que haja pescoço
    Prá enfiar
    Me trouxe uma bolsa
    Já com tudo dentro
    Chave, caderneta
    Terço e patuá
    Um lenço e uma penca
    De documentos
    Prá finalmente
    Eu me identificar
    Olha aí!

    Olha aí!
    Ai o meu guri, olha aí!
    Olha aí!
    É o meu guri e ele chega!

    Chega no morro
    Com carregamento
    Pulseira, cimento
    Relógio, pneu, gravador
    Rezo até ele chegar
    Cá no alto
    Essa onda de assaltos
    Tá um horror
    Eu consolo ele
    Ele me consola
    Boto ele no colo
    Prá ele me ninar
    De repente acordo
    Olho pro lado
    E o danado já foi trabalhar
    Olha aí!

    Olha aí!
    Ai o meu guri, olha aí!
    Olha aí!
    É o meu guri e ele chega!

    Chega estampado
    Manchete, retrato
    Com venda nos olhos
    Legenda e as iniciais
    Eu não entendo essa gente
    Seu moço!
    Fazendo alvoroço demais
    O guri no mato
    Acho que tá rindo
    Acho que tá lindo
    De papo pro ar
    Desde o começo eu não disse
    Seu moço!
    Ele disse que chegava lá
    Olha aí! Olha aí!
    _____
    Amigo, é de arrancar lágrimas.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Perfeita descrição de tudo isso que é tão triste!Lindo teu blog.Cheguei pela Anne!abraços,chica

    ResponderExcluir
  13. Meu querido
    Um belo poema, descrevendo uma realidade crua.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  14. Os filhos da redenção, os invisíveis! Para muitos algozes, para outros mais sensíveis, vítimas da opressão e da falta de compromisso dos governos que se sucedem sem se interessar muito pelo futuro dessas minorias!
    Beijos,
    Jr.

    ResponderExcluir
  15. O duro é saber que isso está virando regra...e essa redenção vem antes de terminar a juventude...

    Belo texto e ótimo protesto!!

    []s

    ResponderExcluir
  16. Nossa amigo!
    Uma triste realidade que machuca meu coração
    Quando vejo essas criançãs
    Que são o futuro da nação
    Perambulando sozinhas pelas ruas
    Procurando ajuda, estendendo a mão
    Que seu dia seja especial.
    Beijos ternos Da Lady

    ResponderExcluir
  17. Sem querer tirar a beleza lírica de seu poema, onde estão as Bolsas? as Bolsas gente? onde estão as Bolsas? Será que a Dilminha pegou para a campanha?

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  18. Dificil a infância, se é que eles tiveram infancia, desses meninos de rua.Dormem na rua, vivem de esmolas e se embriagam cheirando cola, crack, cocaína....e o destino desses meninos é matar ou morrer....que realidade mais triste meu Deus!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Essas pessoas sim, são dignas de pena por não ter amor próprio nem expectativa de vida.

    Besitos..
    Dand^^

    ResponderExcluir
  20. É uma verdade triste da realidade vivida nas ruas.
    Até quando?
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  21. Passando aqui e conhecendo seu blog.
    Gostei demais, pela forma e conteúdo.
    Quanto ao post? Dura realidade tão bem retratada em suas palavras. Parabéns.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  22. Muito lindo esse texto, ao mesmo tempo profundo e triste!

    Obrigado por visitar e comentar meu blog

    abraços !

    ResponderExcluir
  23. Pura verdade Elian pelo Brasil todo, percdebemos o cancer crack,destruir vorazmente a infancia e juventude dos desassistidos!

    viva la vida

    te abraço

    ResponderExcluir
  24. Oi Wanderley!Que beleza de poesia esse "Pivete"!Uma dificil e cruel realidade de nossas crianças!Hoje vc é destaque no meu blog "Estrelinhas voadoras".Espero que goste!Bjs,

    ResponderExcluir
  25. Lindíssimooooooooooo

    Agradecendo o carinho da sua visita.

    "... Farei o possível para não amar demais
    as pessoas, sobretudo por causa das pessoas.
    Às vezes o amor que se dá pesa, quase como
    responsabilidade na pessoa que o recebe.
    Eu tenho essa tendência geral para exagerar,
    e resolvi tentar não exigir dos outros senão
    o mínimo. É uma forma de paz..."

    (Clarice Lispector)


    Um abraço amigo prá voce!!

    ResponderExcluir
  26. "Se procurar bem você acaba encontrando.
    Não a explicação (duvidosa) da vida,
    Mas a poesia (inexplicável) da vida."

    (Carlos Drummond de Andrade)


    BOM FDS e beijos meus!!

    ResponderExcluir
  27. Olá Wanderley,
    teu poema é tão belo quanto realista.

    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  28. Oi meu querido, saudades...desculpe minha ausência.

    Teu poema é triste por ser tão real.

    Beijos e uma linda noite.

    ResponderExcluir
  29. Amigo, você disse tudo neste poema!!!

    Beijo de saudade!!!

    ResponderExcluir
  30. Olá! Amigo! Que profundo! Muito bom!

    Me fez lembrar os adolecentes que estive conversando semana passada, não querem nada da vida, para eles o futuro é ser traficante, porém há uma razão, esses adolecentes não tem pai, e os que tem, os pais são problemáticos, ou seja, son adolecentes s/ amor da família. Aí, resulta em adolecentes carentes e sem sonhos...

    ResponderExcluir

passou por aqui . deixe sua impressão . obrigado

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...