terça-feira, 12 de outubro de 2010

A moça e o trem


O trem de ferro
passa no campo
entre telégrafos.
Sem poder fugir
sem poder voar
sem poder sonhar
sem poder ser telégrafo.

A moça na janela
vê o trem correr
ouve o tempo passar.
O tempo é tanto
que se pode ouvir
e ela o escuta passar
como se outro trem.

Cresce o oculto
elástico dos gestos:
vê planta crescer
sente a terra rodar:
que o tempo é tanto
que se deixa ver.

João Cabral de Melo Neto

Wanderley Elian

33 comentários:

  1. Parodiando Chico Buarque: "Pra ver o trem passar contando coisas...tantas coisas.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Adoro João Cabral de Melo Neto. Bom feriado!

    ResponderExcluir
  3. Adorava ir pro centro da cidade ver o trem passar.rs
    verdade, o barulhinho no trilho nunca esqueci.
    abraços Wnaderley
    já voltou? ou programou?
    fique bem

    ResponderExcluir
  4. Oi.. Tudo bem?
    Que bacana esse seu blog, muito interessante estou lendo vários poemas aqui. Esse mesmo é muito lindo. Parabéns pelo Blog e pelos poemas.
    Vou continua acompanhando seus poemas, pois já tou seguindo já. Segue o meu lá também, tem um trabalho bem bacana.

    http://galeriadephotoos.blogspot.com/

    Saudações, Abraço!

    Suedivaldo

    ResponderExcluir
  5. Já não ando de trem há tanto tempo. Que saudades.

    ResponderExcluir
  6. Wanderley, meu querido
    Tenho paixão pelo trem!
    Sendo filha de ferroviário, tenho sempre viva na memória a minha distante infância, em cujos trilhos havia sempre uma composição a correr...
    Agora você me oferece, não bastasse o trem, João Cabral de Melo Neto!
    Grata, meu querido amigo!
    Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  7. Adoro João Cabral, tão real seus poemas! E as férias?
    Bj*

    ResponderExcluir
  8. Bom dia!
    Belo poema.
    Justifico minha ausencia por estar em viagem e por estar totalmente envolvida no Concurso de Poesia Oficina da Palavra.
    Depois te trago o Selo e o Baner do Concurso pra voce expor por aqui caso queira divulgar.
    Saudades de voce e daqui nesse canto de encanto.
    Bjins

    ResponderExcluir
  9. O tempo passa tão depressa, mas é estranho como as vezes ele passa imensamente devagar, principalmente quando a saudade é grande e o reencontro é marcado e remarcado e mais uma vez adiado...
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Só depois
    Com o trem já distante
    É que o tempo,
    Astuto, manhoso,
    Aflora soluções tardias...
    Apenas, olho contemplando.

    Tácito

    ResponderExcluir
  11. Adoro o barulho do trem. Podia ficar escutando o dia inteiro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Olá meu cara amigo Wanderley Elian, que belo poema, toda genialidade desse grande poeta.Uma bela imagem.

    forte abraço

    C@urosa

    ResponderExcluir
  13. Que ela saiba voar para além da janela...
    Bj Wander!

    ResponderExcluir
  14. O comboio passa...e a vida dessa moça não para...
    Beijo d'anjo

    ResponderExcluir
  15. Podemos sempre estar em constante viagem, não importa onde estejamos!

    Abraços

    ResponderExcluir
  16. Hummmmm!!!!!!!
    Delícia de texto!
    Adorei!

    beejo, beejo!

    ResponderExcluir
  17. Ai,que adoro poesia!De todas as cores ,de toda gente!

    "... É a conta que "me cabe" neste latifúndio"

    hehe


    Parabéns.

    Boa semana

    ResponderExcluir
  18. Se não podemos embarcar no trem, deixamos ao menos nossos sentidos viajarem nele que nos toca com seu "piui" e segue veloz os seus caminhos no trilho...

    Um beijo!!

    ResponderExcluir
  19. É o que cham viajar sem sair do sítio!
    BEIJOS

    ResponderExcluir
  20. Cheguei até aqui por causa da Saozita, parabéns pelo duplix, Wanderley!! Um bom feriado e bela poesia!! :)

    ResponderExcluir
  21. Um tempo palpavel...vivo.
    A vida,um trem desgovernado.
    a moça, estagnada vendo passar.
    Achei uma coincidência interessante.
    Estamos usando a mesma imagem.
    Com algumas diferenças.
    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Queria poder pegar o tempo... Não é possível... Talvez eu volte a ser criança, talvez eu possa pegar o tempo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  23. João Cabral de Melo Neto, gosto muito do estilo dele. Escreve muito bem. Bom restiinho de semana.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  24. se tem algo que não gosto de perder...é o tempo...este, não volta mais...

    beijos em você!!!

    Bia

    ResponderExcluir
  25. E o tempo passa e o trem segue, como tudo na vida...as vezes ficamos a observar a vida a passar...
    Bjos achocolatados

    ResponderExcluir
  26. O Trêm vai, o Trêm volta... E tudo continua sempre a mesma coisa... Poética perfeita, escolha mais que perfeita...

    Abração...

    ResponderExcluir
  27. Magnífico! Que poema lindo!

    O olhar de fora da janela é um espetáculo, principalmente quando esse olhar vira uma poesia!



    Abraços!

    ResponderExcluir
  28. Acredita que, com 46 anos de vida nunca andei de trem? não sei nem porque! talvez oportunidade, sei lá....rs. beijITinhos de IT, a mulher que nunca andou de trem.

    ResponderExcluir
  29. Lindo, Wanderley. O Cabral é tudo de bom. O lado romântico do ver o trem passar e "viajar" na imaginação. Só não curti muito o trem-bala no ano passado. Parece um avião, o bicho, e na terra. :)
    Beijo

    ResponderExcluir
  30. Oi amigo..

    Que lindo poema do Cabral de Melo Neto... Somente um blog tão bacana como o seu e alguém de sensibilidade gigantesca feito vc poderia nos presentear com tanta beleza... Abraços!1 Luz e Paz!

    ResponderExcluir

passou por aqui . deixe sua impressão . obrigado

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...