domingo, 14 de fevereiro de 2010

Canteiros




Quando penso em você, fecho os olhos de saudade
Tenho tido muita coisa menos a felicidade
Correm os meus dedos longos em versos tristes que invento
Nem aquilo a que me entrego já me traz contentamento
Pode ser até amanhã, cedo claro feito dia 
mas nada do que me dizem me faz sentir alegria
Eu só queria ter do mato um gosto de framboesa
Pra correr entre os canteiros e esconder minha tristeza
Que eu ainda sou bem moço para tanta tristeza
E, deixemos de coisa, cuidemos da vida,
Pois se não chega a morte ou coisa parecida
E me arrasta moço, sem ter visto a vida.

Cecília Meireles


Wanderley Elian





Wanderley Elian

21 comentários:

  1. Meu amigo
    Lindo poema
    belo sentir...adorei.
    A musica é linda.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Puxa, como sou ignorante rs.. Não sabia que essa bela cançãO ERA UM POEMA DELA! Afi... Adoro essa música! Um excelente carnaval pra você amigo,estarei por aqui só vou sair nos blocos da faxina,do super mercado, da pintura e do blog é claro,risos. Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  3. Caro amigo.

    Este poema maravilhosamente musicado por Fagner,
    tem um quê de mistério, que nos faz viajar ao que de mais profundo existe no ser.
    Sua beleza vem atrelada a sua profunda verdade.

    Que estejas sempre ao lado dos sonhos.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia meu querido.
    Fechou com chave de ouro,toca aqui rs.
    Eu simplesmente amo essa música,me trás belas recordações.
    Parabéns!!!
    Um beijo grande.

    ResponderExcluir
  5. Grande Raimundo Fagner,,,,linda essa poesia que virou canção,,,e é bem verdade,,,a gente consegue tanta coisa nessa vida, porque será que ser feliz é tão dificil? abraços e otimo domingo de folia.

    ResponderExcluir
  6. Olá amigo!

    Lindo poema! Um abraço e feliz dia de São Valentim!

    ResponderExcluir
  7. Wan, este poema de Meirelles "cantado" tão talentosamente por Fagner é sensacional! Como a música ficou linda, não?! Deu vida (mais ainda) ao poema...

    Quero agradecer sua mensagem lá no meu espaço e dizer que sou muito feliz por sua amizade!

    Tenha um ótimo Carnaval!!

    Beijo!!

    ResponderExcluir
  8. Grande Cecilia, quanta emoção em suas palavras.
    E vc meu amigo como esta , muito carnaval?
    Vou aproveitar e ficar mais um pouquinho lendo suas ultimas postagens.

    Abração amigo ...

    ResponderExcluir
  9. Vamos adubar e regar nossos canteiros, para que brotem amor verdadeiro, paz, amizade e muita alegria.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Lindo demais e Fagner interpreta maravilhosamente, amo, amo, amo.

    Beijos meu querido e bom domingo.

    ResponderExcluir
  11. Saudade... Palavra que conheço tão bem... Não se matam, são imortais... Mas vão matando por dentro do coração de quem as sente...A canção é maravilhosaaa...bela escolha!


    beijos meu anjo.

    ResponderExcluir
  12. Cecilia é sem comentários amigo... Perfeita sua poesia... Mais perfeito ainda é vc, postar algo tão belo como está obra prima...

    Abração...

    ResponderExcluir
  13. Adorei amigo, muito belo poema.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  14. Oi, Wanderley,

    Cecília Meireles, que divina! Os blogs precisam trazer o que há de melhor em todas as áreas.
    Parabéns, seu blog está ótimo. Também não tinha notado sobre esta música de Fagner...
    bj.
    tais luso

    ResponderExcluir
  15. Olá amigo! Combinação perfeita! O belo poema da Cecília e magnífica interpretação do grande Fagner. Maravilha! Belíssima escolha. Parabéns!

    Abraços e ótima semana pra ti.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  16. Um poema belo, para este dia da C Meireles!
    E também te deixo um do nosso Fernando Pessoa, a condizer com a data:
    Todas as Cartas de Amor são Ridículas
    Todas as cartas de amor são
    Ridículas.
    Não seriam cartas de amor se não fossem
    Ridículas.

    Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
    Como as outras,
    Ridículas.

    As cartas de amor, se há amor,
    Têm de ser
    Ridículas.

    Mas, afinal,
    Só as criaturas que nunca escreveram
    Cartas de amor
    É que são
    Ridículas.

    Quem me dera no tempo em que escrevia
    Sem dar por isso
    Cartas de amor
    Ridículas.

    A verdade é que hoje
    As minhas memórias
    Dessas cartas de amor
    É que são
    Ridículas.

    (Todas as palavras esdrúxulas,
    Como os sentimentos esdrúxulos,
    São naturalmente
    Ridículas.)

    Álvaro de Campos, in "Poemas"
    Heterónimo de Fernando Pessoa
    Abraço
    Meg

    ResponderExcluir
  17. Olá Wanderlei
    Gosto deste Poema de Cecília Meireles!
    Gosto da Foto que escolheu para ele.
    Abraço
    G.J.

    ResponderExcluir
  18. Oi Wanderley, adoro esta música e curti muito na adolescência. Fagner deve ser um grande leitor de poesias pois, ele tem outra música gravada que é de outra poetisa, é a música FUMO com poema da Flor Bela Espanca. Deixo-a pra vc. Bjs!

    Fumo - Fagner e Flor Bela Espanca

    Longe de ti são ermos os caminhos
    Longe de ti não há luar nem rosas
    Longe de ti há noites silenciosas
    Há dias sem calor, beirais sem ninhos

    Meus olhos são dois velhos pobrezinhos
    Perdidos pelas noites invernosas
    Abertos sonham mãos cariciosas
    Tuas mãos doces, plenas de carinhos

    Os dias são outonos, choram, choram
    Há crisântemos roxos que descoram
    Há murmúrios dolentes de segredos

    Invoco o nosso sonho, estendo os braços
    E é ele, ó meu amor, pelos espaços
    Fumo leve que foge entre meus dedos.

    ResponderExcluir
  19. comecei a ver clarice com outros ohos a parti deste teu post

    ResponderExcluir
  20. Gosto! muito! é simplesmente l i n d o

    ResponderExcluir

passou por aqui . deixe sua impressão . obrigado

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...